Arquivos

    Votação
     Dê uma nota para meu blog

    Outros links
     UOL - O melhor conteúdo
     BOL - E-mail grátis




    MEDIUNIDADE NA INTERNET
    - Blog do Dr. Inácio Ferreira -
    Visite nosso site: www.leepp.com.br
     


    PROVA CONCRETA DA REENCARNAÇÃO

    (A reencarnação anunciada de Allan Kardec como Chico Xavier)

     

    A questão que, para alguns poucos, é controvertida, da anunciada reencarnação de Allan Kardec, trata-se, em verdade, de singular e concreta prova da Multiplicidade das Existências.

    Enquanto pesquisadores sérios vivem, no mundo todo, coletando dados que atestem a realidade das Vidas Sucessivas, publicando, por vezes, volumosas monografias a respeito, os adeptos do Espiritismo foram agraciados pelo anúncio de que o Codificador, desencarnado a 31 de março de 1869, voltaria a Terra, em novo corpo, com a finalidade de dar complemento à Obra que iniciara.

    O Professor Rivail que, através de segura informação espiritual, soubera de uma sua existência passada entre os druidas, nas Gálias, na tarefa que lhe coube de concorrer para a restauração do Cristianismo, recebeu de diversos Espíritos, e entre eles do Espírito Verdade, a revelação de que o seu regresso ao corpo já estava programada.

    Não fosse Chico Xavier, apenas sob uma perspectiva moral e espiritual, pelo extraordinário conteúdo de sua Obra psicográfica, o legítimo continuador de Allan Kardec, no inegável desdobramento do chamado “Pentateuco”, por fatos históricos inequívocos, inclusive matemáticos, de absoluta precisão, a reencarnação do Codificador como Chico Xavier, o extraordinário medianeiro, fornece-nos uma prova cabal da tese reencarnacionista, que, sem dúvida, filosófica e cientificamente, constitui-se no cerne do Espiritismo.

    As evidências são irrefutáveis:

    - Allan Kardec previu o seu retorno ao corpo para o final do século XIX ou para o início do século XX. Chico Xavier nasceu no dia 10 de abril de 1910, no alvorecer do século XX.

    - Entre a desencarnação de Allan Kardec e o nascimento de Chico Xavier, temos quase exatos quatro décadas – 1869-1910. Chico Xavier afirmava que, no Mundo Espiritual, ele se preparara durante quarenta anos para cumprir com a sua tarefa de Médium.

    - Os Espíritos disseram a Allan Kardec que, em sua volta, ser-lhe-ia dado trabalhar desde cedo. Chico Xavier, oficialmente, começou a psicografar com 17 de idade, sendo, porém, que a sua “primeira psicografia” aconteceu, em sala de aula, quando contava com 12 de idade, cursando o 4º ano primário no Grupo Escolar “São José”, em Pedro Leopoldo.

    - Acrescentaram os Espíritos que, quando voltasse a Terra, em novo corpo, o Codificador teria a “satisfação de ver em plena frutificação a semente” que ele espalhara. Chico Xavier, de fato, deparou-se, no Brasil, com a Doutrina em florescência, inclusive, com a “Federação Espírita Brasileira”, fundada em 1884, e com o Espiritismo já contando com vários vultos de escol, entre os quais o Dr. Bezerra de Menezes, desencarnado em 1900.

    Allan Kardec, fazendo, no Espiritismo, tremular a bandeira de Reencarnação, terminou por ser, ele mesmo, ao longo da história de toda Humanidade, uma de suas provas mais concretas, comparável somente à reencarnação de Elias em João Batista, atestada pelas tácitas palavras do Cristo.

    Curiosamente, nenhum Evangelista trata os assuntos da Reencarnação (diálogo com Nicodemos) e do Advento do Consolador, que é o
    Espiritismo, com a propriedade com que eles são tratados no Evangelho de João, o “discípulo amado”, que foi uma das muitas vidas de Allan Kardec.

    Pode-se ainda acrescentar aos estudiosos do fenômeno, o fato de Allan Kardec – o Professor Rivail – ter sido francês, nascido na cidade de Lion, e o prenome “Francisco”, de Francisco Cândido Xavier, significar, literalmente, “pequeno francês”. Allan Kardec era de “altura meã”, quanto Chico Xavier – em torno de 1,65 m.

    Kardec, com 65 anos de idade, desencarna pelo rompimento de um aneurisma na aorta. Chico Xavier, praticamente com a mesma idade, começa a sofrer de angina pectoris, que lhe provocava constantes dores no tórax.

    Embora muitos leitores dessas nossas publicações no Blog possam considerar recorrente o assunto da reencarnação Allan Kardec/Chico Xavier, nós pensamos que as reflexões em torno de tema tão importante estejam ainda muito longe de serem esgotadas, e sempre que oportuno quanto agora a elas haveremos de retornar.

     

    INÁCIO FERREIRA

     

    Uberaba – MG, 27 de junho de 2016.

     

     

     

     

     

     

     



    Escrito por Dr. Inácio Ferreira às 05h26
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    ESPIRITISMO E ENTRESSAFRA
     
    (Reflexões de 18 de Abril)
     
     
    Não há negar que, após desencarnação de Chico Xavier, ocorrida a 30 de junho de 2002, o Espiritismo, quase em todos os seus aspectos, entrou num período de entressafra, que, infelizmente, ninguém sabe dizer quanto tempo há de durar. (Esse período de entressafra prolongadíssimo foi o que levou o Espiritismo a desaparecer quase que por completo em França!)
    Durante, praticamente, todo o século XX, o trabalho de Chico impulsionou a Doutrina, seja no campo literário, com espantosa produção mediúnica, seja no campo do apostolado, levando adiante o labor vivencial de tantos outros notáveis pioneiros do Espiritismo no Brasil.
    A verdade, porém, é que agora, infelizmente, com o desenlace de Chico, o seu líder natural, o Espiritismo empobreceu-se de valores espirituais encarnados, e, por que não dizer, igualmente, dos valores espirituais desencarnados que por ele se expressavam.
    Médiuns, até imbuídos de certa boa vontade, porém extremamente faltos de idealismo superior, surgem aqui e ali, em labor personalista e interesseiro que, sinceramente, não se compreende.
    Principiantes no afã da mediunidade, com, inclusive, escasso conhecimento da Doutrina, sedentos de holofote e promoção pessoal, em vez de somar em benefício da Fé, estão sendo utilizados como instrumentos de descrença pelos opositores invisíveis da Terceira Revelação.
    Quase em toda a parte, despontam seareiros que, agindo inescrupulosamente, enganam aos mais incautos, propondo inovações ao corpo doutrinário, anunciando-se como missionários nas atividades-relâmpago que, felizmente, depois de não alcançarem a repercussão esperada, são abandonadas por eles, que se retiram de tais atividades alegando incompreensão e falta de receptividade – quando deveriam alegar falta de sucesso empresarial!
    Raros são os que, perseverando em suas tarefas humildes, neste período de entressafra, mantém acesa a chama do Ideal, agregando alguns poucos em torno do suor que, anonimamente, derramam na sustentação da Fé Raciocinada, que, sem dúvida, vem sendo acuada pelos sistemáticos adversários do Cristo, que não desanimam de fazer eclipsar a luz que Ele representa e sempre há de representar para a Humanidade.
    A fase atual que o Espiritismo vem atravessando é difícil e, infelizmente, promete ser uma longa e espessa noite, até que espíritos realmente sinceros e comprometidos com a Causa tomem corpo na Terra e deem à Doutrina o novo impulso que ela está a carecer, notadamente, no campo do apostolado do exemplo.
    Não imaginemos que tudo, no entanto, deva correr por conta de uma planificação de Ordem Superior, e que, no momento certo, as coisas haverão de acontecer. De fato, nada sucede à revelia da Vontade do Criador, mas – que isto fique bem claro –, não nos esqueçamos de que, voluntariamente ao lhe aderir, é através da vontade da criatura que ela se executa.
    O Cristo, em certa oportunidade, afirmou que o Pai trabalha e que Ele também trabalha, significando, em outras palavras, que Eles se esforçam, e esforçam-se diuturnamente, para que o Reino Divino se estabeleça entre os homens.
    Uma série de fatores deve ser levada em conta, porque ao que se sabe a maioria dos espíritos que reencarnam com determinada tarefa a cumprir na Terra, desviando-se de suas finalidades, não a cumprem, e, quando logram cumpri-la, apenas o fazem de maneira parcial – e, não raro, comprometedora!
    Que nós, portanto, espíritos encarnados e desencarnados, trabalhadores deste momento de entressafra espiritual, que, sem dúvida, começou exatamente com a desencarnação de Chico Xavier no início do Terceiro Milênio – entressafra que, na Doutrina, vem nos deixando quase que completamente sem parâmetros de ordem moral! –, procuremos permanecer, ao menos, na condição de guardiães da Luz que não pode se apagar, esperando e orando pela chegada daqueles que, espíritos de semelhante cepa a do Inolvidável Medianeiro, possam continuar fazendo com que a Luz brilhe em todo o seu esplendor, norteando a Humanidade que, em termos espirituais, presentemente, nos parece totalmente sem rumo, a caminho do abismo.
    Não creiamos, pois, sem importância, a reunião semanal que, praticamente, a sós, estejamos sustentando na Casa Espírita que frequentamos, ou ainda, junto aos mais carentes, a singela atividade assistencial que mantenha tremulando a bandeira da Caridade, que, sem palavras, fala da excelência do Amor que se, um dia, viesse a desaparecer da face da Terra induziria a Humanidade a suicídio de ordem coletiva.
     
    INÁCIO FERREIRA
     


    Uberaba – MG, 18 de abril de 2016.
     
    OBS: Página recebida pelo médium na data acima, porém, tão somente agora sendo publicada.



    Escrito por Dr. Inácio Ferreira às 08h05
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    RUMOS DO ESPIRITISMO

     

    Sinceramente, eu não sei como interpretar os espíritas que, em termos de filosofia religiosa, acham que o Espiritismo seja a única Verdade existente no mundo, e, quiçá, no Universo.

    Eu não sei como entender os que consideram que o que não esteja em Allan Kardec não possa ser Espiritismo, qual se o Espiritismo já estivesse todo na palavra do Codificador.

    Eu não sei como compreender os adeptos da Doutrina que, até com certa agressividade, se atritam uns com os outros, discutindo sobre determinadas questiúnculas doutrinárias que o resto da Humanidade ignora completamente.

    Eu não sei com que autoridade moral algum companheiro de Ideal possa levantar a voz e rotular a outro de desequilibrado, simplesmente porque ele não pensa pela sua cabeça.

    Eu não sei como classificar a perturbação que acomete certos confrades que, investindo-se na condição de patrulheiros ideológicos da Causa, sumariamente, marginalizam o esforço de tanta gente que está procurando doar o melhor de si, nas singelas tarefas a que se consagram no anonimato.

    Eu não sei o que se passa com meia dúzia, ou um pouco mais, de irmãos de fé espírita-cristã, que consideram que, no diz respeito Mediunidade, a última palavra sempre lhes pertence, no diagnóstico que fazem sobre o psiquismo alheio.

    Eu não sei...

    Eu só sei que nós, os espíritas, estamos precisando exercitar um pouco mais a humildade e o espírito de caridade com os semelhantes.

    Eu só sei que, no que tange a mim, estou carecendo ouvir mais a voz de minha própria consciência, na corrigenda de meus defeitos, do que qualquer outra que esteja verberando aos meus ouvidos, com a eloquência que verbera na boca de um profeta enlouquecido.

    Eu só sei que, por ser adepto do Espiritismo, eu não desfruto de privilégio algum e não sou melhor que nenhum de meus irmãos em Humanidade, que, por vezes, sequer já aprenderam a orar o “Pai Nosso”.

    Eu só sei que, se não tomar cuidado, a vaidade e personalismo vão tomar conta de mim, como, infelizmente, já tomaram conta de muita gente boa, que imaginam que a luz da Terceira Revelação seja propriedade deles.

    Eu só sei que se eu não correr léguas de distância de mim mesmo, se me colocarem um fósforo na mão e me derem alguns gravetos, eu vou acabar acendendo uma fogueira para queimar aqueles que ousam duvidar de meus pretensos conhecimentos.

    Eu só sei que nós, os espíritas, precisamos orar muito uns pelos outros, principalmente por aqueles que se forçam na condição de líderes de não sei o quê, e, uma vez mais, alucinados pelo poder, supõem-se altos missionários que o Mundo Espiritual enviou a Terra.

    Eu só sei que o Espiritismo, a conduzir-se por alguns espíritas, sob a assessoria das Trevas, está tomando um rumo que não lhe é nada alentador, e que, sinceramente, me deixa muito triste e preocupado.

    E que, talvez, isso tudo esteja acontecendo porque anda sobrando espíritas no Espiritismo e faltando cristãos.

     

    INÁCIO FERREIRA

     

    Uberaba – MG, 13 de junho de 2016.

     

    OBS: Sim, meu caro, eu estava lá, ao seu lado, observando aquele nosso companheiro de Doutrina que, tomando a palavra, não deixava ninguém falar – somente ele falava e entendia sobre todos os assuntos, sempre se colocando na condição de “personagem central” de todas as estórias que contava. Lamentável! Quanta inteligência desperdiçada por tanta vaidade! Eu fiquei, verdadeiramente, pasmo, com os muitos Jesus que ele conseguia identificar na História: o Jesus “joanino”, o Jesus “paulino”, o Jesus “judeu”, o Jesus “grego”, o Jesus “romano”... E eu, tolo que sou, sempre imaginei que Jesus do “amai-vos uns aos outros como eu vos amei” fosse um só!...

     

     

     

     

     



    Escrito por Dr. Inácio Ferreira às 15h26
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    NUDEZ NO ALÉM?!
     
    Por vezes, imagino que os homens – mormente os espíritas, claro! – supõem na Vida além da morte um verdadeiro campo de nudismo.
    Sim, porquanto, eu mesmo, quando encarnado, jamais ouvi de quem fosse a menor referência à vestimenta dos mortos – talvez até, quem sabe, fosse preconceito contra os estilistas e os costureiros, de ambos os sexos.
    Assim que me iniciei na Doutrina, ficava pensando em que situação os espíritos haveriam de deixar o corpo carnal – com que roupa haveriam de se cobrir, de vez que até mesmo Adão e Eva, quando expulsos do Jardim do Éden, “percebendo que estavam nus, coseram folhas de figueira, e fizeram cintas para si.”
    Os pobres defuntos, certamente, haveriam de se ver na mesma dúvida que assaltou o sambista Noel Rosa, que, em canção de grande sucesso, nos idos de 1929, ficava se perguntando, com insistência, “com que roupa eu vou”...
    Recordo-me que, então, na minha insipiência, que, aliás, perdura até hoje, cheguei a indagar de um companheiro cujo nome, em respeito à sua venerável memória, prefiro não citar, sobre a situação vestimental dos espíritos no Mundo Espiritual. Ele, modulando o tom de voz, respondeu-me quase ao pé do ouvido: - Os espíritos usam uma espécie de roupão de americano cru que lhes desce até aos calcanhares, e os que não andam descalços, calçam sandálias... Que coisa mais sem gosto – pensei eu sem nada retrucar, pois, afinal, eu não passava de um neófito, que estimava envergar um terno de linho cento e vinte e de calçar um par de sapatos italianos, pois, neste sentido, a indústria brasileira ainda estava nos seus primórdios.
    Todavia, assim que comecei a participar das sessões mediúnicas do Sanatório, através, principalmente, de Modesta, ouvia os desencarnados afirmarem que as suas roupas estavam estraçalhadas...
    - Eureka! – exclamei. O rei, qual no conto de Hans Cristhian Andersen, pode estar nu, mas os mortos, não estão! Ainda, pois, há alguma esperança para mim, que, do Outro Lado, sentir-me-ei envergonhado de que alguém me veja despido, exibindo as partes mais íntimas aos olhos pouco misericordiosos de qualquer...
    Logo em seguida, não me recordo quem me colocou nas mãos o livro recém-lançado de André Luiz, “Nosso Lar”, editado em 1944, quando, então, eu contava com 40 anos de idade. Folheando, numa primeira leitura, despretensiosamente, as suas páginas, chamou-me a atenção as seguintes palavras do ilustre defunto: “Crescera-me a barba, a roupa começava a romper-se com os esforços da resistência, na região desconhecida.” Sentindo-me salvo, com avidez, procurei em todos os demais capítulos da referida obra, algum outro subsídio que me livrasse do nudismo total ou, talvez, até o que fosse pior, daquele estranho roupão de americano cru... E, em seu capítulo 22 – “O Bônus-Hora” –, mais uma vez, eu me senti salvo, ante as explicações da senhora Laura, que dizia a André que, na cidade, além de produção de alimentos, havia produção de vestuário.
    Ainda hoje eu não sei como é que anda a situação aí embaixo, na Crosta, em torno da controvertida questão do nudismo dos mortos, que muitos acreditam continuar deixando o corpo sem sequer uma folha de figueira para lhes cobrir o que a morte não faz com que nós, os desencarnados, percamos.
    Com a palavra os mais eruditos em Doutrina que, certamente, tomando a sua própria transcendência por medida de todos os defuntos, haverão de dizer que os espíritos são lisinhos, e que, justamente, por tal motivo, não carecem eles de qualquer pedaço de pano para lhes ocultar as protuberâncias carnais, de tão falecidas que essas mesmas protuberâncias já se encontram.
     
    INÁCIO FERREIRA
     
    Uberaba – MG, 6 de junho de 2016.



    Escrito por Dr. Inácio Ferreira às 08h02
    [] [envie esta mensagem
    ] []



     
      [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]